sábado, 25 de outubro de 2008

UM SORRISO ENTRE FLORES - II

Quando era criança, vezes sem conta cruzava-me com este vendedeira de flores. Era uma jovem florista sempre de sorriso farto, de uma simpatia contagiante e, eu ficava a olhar o carinho destas mulheres, ao dar tantos sonhos num simples "bouquet" colorido. Uma flor entre flores...

AS VENDEDEIRAS DE SONHOS - I




AS FLORES E AS VENDEDEIRAS SEMPRE FIZERAM PARTE DA PAISAGEM DA MADEIRA




segunda-feira, 13 de outubro de 2008

WHAT A WONDERFUL WORLD


Pôr do Sol no Pico Ruivo (foto CAM)


I see trees of green........ red roses too
I see em bloom..... for me and for you
And I think to myself.... what a wonderful world.
I see skies of blue..... clouds of white
Bright blessed days....dark sacred nights
And I think to myself .....what a wonderful world.
The colors of a rainbow.....so pretty ..in the sky
Are also on the faces.....of people ..going by
I see friends shaking hands.....sayin.. how do you do
Theyre really sayin......i love you.
I hear babies cry...... I watch them grow
Theyll learn much more.....than Ill never know
And I think to myself .....what a wonderful world
(instrumental break)
The colors of a rainbow.....so pretty ..in the sky
Are there on the faces.....of people ..going by
I see friends shaking hands.....sayin.. how do you do
Theyre really sayin...*spoken*(I ....love....you).
I hear babies cry...... I watch them grow
*spoken*(you know their gonna learn
A whole lot more than Ill never know)
And I think to myself .....what a wonderful world
Yes I think to myself .......what a wonderful world.

Louis Armstrong

domingo, 12 de outubro de 2008

PRAÇA DO INFANTE

A Praça do Infante (ao centro) com o pequeno lago fontenário recém inaugurado onde ainda falta a esfera armilar no centro da mesma. Ao fundo do lado direito o extinto Hotel Voga esquina com o Jardim Municipal. Ao centro em forma ogival, o Monumento ao Infante D. Henrique. Como curiosidade, todas as vezes que passava junto ao seu pedestral, dava os "Bons-Dias ao Senhor Infante"!

PRAÇA DO MUNICIPIO

A Praça do Município na Cidade do Funchal nos anos 40', sem carros, sem stress... Em frente a Câmara Municipal e, à esquerda a Igreja de São João Evengelista ou mais conhecida como Igreja do Colégio, 1599.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

BLUE EYES

Blue eyes
Baby's got blue eyes
Like a deep blue sea
On a blue blue day
Blue eyes
Baby's got blue eyes
When the morning comes
I'll be far away
And I say
Blue eyes
Holding back the tears
Holding back the pain
Baby's got blue eyes
And she's alone again
Blue eyes
Baby's got blue eyes
Like a clear blue sky
Watching over me
Blue eyes
I love blue eyes
When I'm by her side
Where I long to be
I will see
Blue eyes laughing in the sun
Laughing in the rain
Baby's got blue eyes
And I am home, and I am home again
Elton John

O BANHO NO AUXILIO MATERNAL

O Auxilio Maternal foi fundado na Cidade do Funchal em 3 de Abril de 1902, por iniciativa do médico-cirurgião José Joaquim de Freitas. Tendo como finalidade, fornecer alimentação própria às crianças cujas mães por doença ou privações as não possam criar (Eluc. Madeirense I V- pag. 109). Teve as suas instalações no Campo da Barca, passando depois para o Edifício de Santa Clara e posteriormente na Travessa das Capuchinhas. Tive o privilégio de conhecer "in loco" às suas últimas mudanças de edifícios.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

ERA UMA VEZ DEZ MENINAS

Era uma vez dez meninas
de uma aldeia muito probe.
Deu um tranglomango nelas
não ficaram senão nove.
Era uma vez nove meninas
que só comiam biscoito.
Deu um tranglomango nelas
não ficaram senão oito.
Era uma vez oito meninas
em terras de dom Esparguete
Deu um tranglomanglo nelas
não ficaram senão sete.
Era uma vez sete meninas
lindas como outras não veis.
Deu um tranglomanglo nelas
não ficaram senão seis.
Era uma vez seis meninas
em landas de Charle Quinto.
Deu um tranglomanglo nelas
não ficaram senão cinco.
Era uma vez cinco meninas
em um triângulo equilatro.
Deu um tranglomanglo nelas
não ficaram senão quatro.
Era uma vez quatro meninas
qu'avondavam só ao mês.
Deu um tranglomanglo nelas
não ficaram senão três.
Era uma vez três meninas
em o paço de dom Fuas.
Deu o tranglomanglo nelas
não ficaram senão duas.
Era uma vez duas meninas
ante um home todo espuma.
Deu um tranglomanglo nelas
transformaram-se em só uma.
Era uma vez uma menina
terrada em terral mui fundo.
Deu um tranglomanglo nela
voltaram as dez ao mundo.

Mário Cesariny

sábado, 4 de outubro de 2008

Uma descida vertiginosa

A elite no princípio do sec. XX, pousava para o "retrato" para mais tarde recordar...

Do Monte ao Funchal em carro de cesto

Em 1895, uma revista alemã publicava esta belíssima imagem de uma descida de carro de cesto, com a designação de "estadias de Inverno no ensolarado Sul da Europa". Repare-se em todo o pormenor da pintura feita a pena e tinta da china e todo a paisagem que a rodeia até o vestuário dos cidadãos.
(Winteraufenthalt im sonnigen Süden: Eine Rutschfahrt in Madeira) 30,5x22,5 cm