domingo, 31 de maio de 2009

HEMINGWAY ESTEVE NA MADEIRA

Ernest Hemingway 1899-1961
Desde a minha adolescência sempre fui um grande admirador do escritor Ernest Hemingway. Os seus livros, as suas crónicas da Guerra Civil de Espanha, a sua paixão pela caça e pelo mar, sempre foram temas da minha preferência. Alguns dos seus livros como "Por Quem os Sinos Dobram", "As Neves do Kilimanjaro" "O Velho e o Mar", "O Jardim do Éden" "Paris é uma Festa" são só alguns das suas obras.
Após pesquisa na imprensa madeirense da época (Diário de Noticias da Madeira- edição de 29/06/1958 ), fiquei a saber, que o escritor sentiu um grande fascínio pela Ilha. Assim, à pergunta do jornalista:
-"Qual a maior impressão de toda a sua vida? Respondeu:
- O ter descido num simples cesto de vimes, as íngremes estradas da Madeira!"
... sempre o seu fascínio pela aventura...

sexta-feira, 29 de maio de 2009

DIA INTERNACIONAL DA CRIANÇA

Foto Correio da Manhã

Comemora-se no próximo dia 1 de Junho, o Dia Internacional da Criança. Portugal ainda está muito terceiro-mundista quando se fala das crianças. A provar os recentes casos da menina Alexandra e das decisões judiciais do Tribunal de Guimarães. Não há maneira de aprenderem! Continuamos a ter uma justiça bacoca, saloia e sem humanidade. O mais importante, o bem estar da criança ficou uma vez mais manchado por decisões mal direcionadas. Não se protegeu os momentos mais dramáticos daquela criança, fazendo da rua como se de um despejo se tratasse. Falta de personalidade dos senhores da Justiça, mas também dos psicólogos que a acompanhavam e assistentes sociais. Não aprendemos nada com as Esmeraldas, Joanas e outras crianças maltratadas deste país. A este país governado por meia dúzia de politicos ocos, por funcionários sem qualidade e sem personalidade, por ministros totós cheios de vento na cabeça, o tempo ditará o seu futuro. O esquecimento e o desprezo que o seu povo lhes dará...

DIA EUROPEU DOS VIZINHOS





Comemorou-se no passado dia 26 de Maio, o Dia Europeu dos Vizinhos. Mais uma vez, a iniciativa da Junta de Freguesia de Santa Maria de Belém em colaboração com os vizinhos desta bairro, decidiram festejar a iniciativa com muita animação musical, as tradicionais sardinhas e carne assada, além duma soberba cachupa, e uma imensa variedade de petiscos. A festa prolongou até quase às 24 horas, com karaoke, e com a presença do fadista António Pinto Bastos. A solidariedade imperou nesta reunião aberta à população em geral, em que todos deram o seu contributo. Para o ano haverá mais!
(Fotos drª. Fernanda)

quarta-feira, 27 de maio de 2009

LITTLE LIES - FLEETWOOD MAC

If I could turn the page
In time then Id rearrange just a day or two
Close my, close my, close my eyes
But I couldnt find a way
So Ill settle for one day to believe in you
Tell me, tell me, tell me lies
Tell me lies
Tell me sweet little lies
(tell me lies, tell me, tell me lies)
Oh, no, no you cant disguise
(you cant disguise, no you cant disguise)
Tell me lies
Tell me sweet little lies
Although Im not making plans
I hope that you understand theres a reason why
Close your, close your, close your eyes
No more broken hearts
Were better off apart lets give it a try
Tell me, tell me, tell me lies
Tell me lies
Tell me sweet little lies
(tell me lies, tell me, tell me lies)
Oh, no, no you cant disguise
(you cant disguise, no you cant disguise)
Tell me lies
Tell me sweet little lies
If I could turn the page
In time then Id rearrange just a day or two
Close my, close my, close my eyes
But I couldnt find a way
So Ill settle for one day to believe in you
Tell me, tell me, tell me lies
Tell me lies
Tell me sweet little lies
(tell me lies, tell me, tell me lies)
Oh, no, no you cant disguise
(you cant disguise, no you cant disguise)
Tell me lies
Tell me sweet little lies
(tell me lies, tell me, tell me lies)
Oh, no, no you cant disguise
(you cant disguise, no you cant disguise)
Tell me lies
Tell me sweet little lies
(tell me, tell me lies)

domingo, 24 de maio de 2009

O PRIMEIRO FILME

Pablito Calvo que desempenhou a personagem de "Marcelino, pão e vinho"

A minha tia já andava "pelos cabelos" com tanta insistência minha para irmos ao cinema!
- Qualquer dia... qualquer dia!
Era uma grande apaixonada pela sétima arte. Na época, percorriamos o longo Hall do Teatro Municipal na Avenida Arriaga, em busca das novidades cinéfilas. Pequenos cartazes dispostos em longas filas, mostravam as cenas mais marcantes das futuras sessões. As pessoas passavam horas em busca de novidades das grandes fitas. Quem tinha dinheiro comprava o bilhete mágico, quem não tinha, deliciava-se a sonhar com o argumento da história na grande tela.
Um dia, a noticia chegou! Extasiante, irriquieto e sempre curioso, iria ao cinema pela primeira vez... O filme, adequado à minha idade, seria "Marcelino, Pão e Vinho"! Um grande sucesso na época, realizado em 1955. Contava a história de uma criança orfã que teria sido encontrado à porta de um mosteiro e criado por 12 frades. Depois, oferece um pouco de pão e de vinho a uma imagem de Jesus. Desenrolar-se-á depois, toda uma história emocionada entre as duas figuras.
Na hora do ingresso, sentei-me no lugar marcado. Olhava o tecto do Teatro, embasbacado, as luzes apagaram-se, a película começou a "correr". Então comecei a sentir o suor evadir o meu corpo. As imagens pareciam distorcidas, saidas da tela. O menino (Marcelino) tentava convencer os frades do seu diálogo com a imagem Divina. Por sua vez, eu tentava convencer a minha tia a abandonar a sala.
A certa altura, não aguentei mais... era demasiada emoção com uma mistura de medo. Levantei-me da cadeira e gritei:
- Vamos embora!!!
Foi a gota de água!.. Assustado, eu queria era fugir. Só a queijada e a laranjada na Minas Geraes, me confortaram.
Entretanto, a meu lado dizia-me a tia: nunca mais vais comigo ao cinema, para não passar destas vergonhas. Infelizmente, a promessa cumpriu-se! Nunca mais foi ao cinema na minha companhia, mas a história do "Marcelino, Pão e Vinho" manter-se-ia durante muito tempo, contada e recontada como se de um filme dentro de outro filme se tratasse.

domingo, 17 de maio de 2009

OLIVER HARDY "BUCHA" NA MADEIRA


Encontra-se de passagem na Madeira o célebre actor de cinema “Bucha”

“A bordo do vapor de recreio “Caledonia” que se encontra desde ontem surto no nosso porto, com números turistas, está de passagem o célebre actor de cinema, Oliver Hardy, mais conhecido pelo “Bucha”, bastante familiar em todo o mundo, através dos numerosos filmes que tem interpretado e cuja actuação, em muitos deles, nos tem sido dado apreciar na tela do nosso teatro.
É interessante registar-se a passagem na Madeira deste extraordinário creador de riso, que tem dado horas felizes a meio mundo…"
Diário de Noticias do Funchal - 21.07.1939