sábado, 27 de março de 2010

FLORES PARA O REICH

Gosto desta foto de 1936! A cidadã madeirense distribui flores aos turistas alemães. Um simples gesto que se vai perdendo no tempo. Para os forasteiros, a felicidade estampada nos rostos irá durar pouco. A 2ª. Guerra Mundial aproxima-se rapidamente e a Madeira dos cartazes paradisiacos dará lugar à dor. Seria interessante saber o percurso destas vidas e daquela criança de sorriso triste.

domingo, 21 de março de 2010

ELIS REGINA FARIA 65 ANOS


Se fosse viva Elis Regina faria esta semana 65 anos. A voz inconfundível de "Pimentinha" em "CASA NO CAMPO", para recordar com muita saudade.


Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa compor muitos rocks rurais
E tenha somente a certeza
Dos amigos do peito e nada mais
Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa ficar no tamanho da paz
E tenha somente a certeza
Dos limites do corpo e nada mais
Eu quero carneiros e cabras pastando solenes
No meu jardim
Eu quero o silêncio das línguas cansadas
Eu quero a esperança de óculos
Meu filho de cuca legal
Eu quero plantar e colher com a mão
A pimenta e o sal
Eu quero uma casa no campo
Do tamanho ideal, pau-a-pique e sapé
Onde eu possa plantar meus amigos
Meus discos e livros
E nada mais

http://www.youtube.com/watch?v=OITefBHuEkk

http://www.youtube.com/watch?v=srfP2JlH6ls

quarta-feira, 17 de março de 2010

BUCHO VS AZEITE

Bucho vs Azeite

Muitas vezes nem nos apercebemos de certas circunstâncias que ao longo da vida surgem e que marcam a nossa maneira de ser. Isto vem a propósito de uma guerra familiar acerca do azeite. Pessoalmente não sou grande apreciador daquele produto natural. No entanto, o mesmo não posso dizer dos seus frutos de que sou grande consumidor, tendo inclusive plantado vários exemplares para uso doméstico. Mas penso que tudo tem uma relação, um motivo que nos leva a gostar ou detestar determinado produto.


Teria os meus quatro anos, quando me foi diagnosticado pelas minhas tias, todas elas formadas em mézinhas, produtos naturais e soluções medicinais dignas de um estudo aprofundado pela National Geographic ou publicação na Revista Nature. Era simples! Se uma criança deixava de ter apetite, então era por que estava com o “bucho virado”. Tratavam logo de levar a dita criancinha a uma “especialista” na matéria.


E um belo dia lá fui, em busca da cura milagrosa para as minhas dores abdominais. Lembro-me de ser uma casa térrea no Campo D. Carlos I, onde outrora existia um campo de futebol do Marítimo de terra batida e coloração avermelhada. A minha mãe agarrou no batente de ferro e arremessou duas pancadas estridentes na porta. Assomou-se então uma mulher com cara de poucos amigos, voz penetrante e pinturas na face que mais parecia uma índia do Amazonas. Para ajudar o quadro, tinha um papagaio que ocupava a salinha de estar e a poltrona. Depois pediu-me me deitar e puxou a camisola para cima. Em seguida, besuntou-me de azeite a barriga, fez umas rezas com um raminho de alecrim ao mesmo tempo que a massajava incessantemente. Depois, vi a minha mãe pagar o “tratamento” enquanto que eu corria para a rua com aquela sensação peganhenta de estar com a camisola colada ao corpo. E estava tudo perfeito! Penso que cheguei a casa e comi logo dose dupla, perante os olhos arregalados da minha mãe, satisfeita por ter acertado na mulher curadora de buchos.


A partir desse dia, todas as vezes que me colocavam azeite em abundância no prato, lembrava-me da dita mulher com mãos mágicas a contorcer o meu estômago, como se estivesse a amassar pão.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Memory for Manuel - by Solange

Oh, many and many an hour with you


I’ve passed the time with pleasure


And never has one hour with you


Been less to me than treasure


Oh many and many a flower for you


To offer you I’ve plucked


And like a bee with you, with you


It’s honey have I sucked.


But never an hour so dear with you


As long as it could stay


And never na hour so sad for you


When I must go away


As the hour when I came close to you


That evening and sat down


And heard you speak and spoke to you


Of all our souls had knoow.



Du poet flamand Guido Gezelle (1830-1899)

sábado, 6 de março de 2010

PRECISAM-SE FLORES E SORRISOS

Tal como o 11 de Setembro em Nova York, a Madeira terá um antes e um depois de 20 de Fevereiro de 2010. Não adiantará discutir o que estaria mal, até por que por sistema o tempo tenderá a esquecer causas e as asneiras continuarão. O dinheiro fala mais alto, a especulação imobiliária será sempre forte e com ela os atentados ambientais. Aqueles que anos a fio, tentam fazer-se ouvir, como o Professor Raimundo Quintal quer através de programas, trabalhos ou estudos, procura demonstrar que os atentados ambientais pagam-se caros, devem ser ouvidos com mais respeito e atenção!

ENVIO GRATUITO PARA A MADEIRA

Em boa hora, os Correios portugueses iniciaram uma campanha de envio de produtos para as vitimas da Madeira. Assim: lençois; cobertores; mantas; almofadas; produtos de higiene; enlatados, produtos para bebé ou leite em pó, serão benvindos. Basta dirigirem-se a qualquer estação dos Correios, pedir uma caixa de papelão, colocar o seu donativo e escrever a palavra MADEIRA no destinatário.
O envio é completamente grátis!